Ocorreu nesta segunda-feira nesta segunda-feira (30.12), com a participação do governador do estado Tarso Genro, o ato de encerramento do pedágio de Carazinho, localizado na BR 386, entre aquele município e Sarandi. A cerimônia, que encerrou as operações após 15 anos, também marcou o fim das praças de Vacaria, Gramado e Polo Metropolitano, não restando agora nenhum pedágio do sistema antigo. 
Segundo projeções, o fim do pedágio na região significará a injeção de R$ 70 milhões por ano que antes iam para o custeio das tarifas e agora ficam na cidade. 
Nas novas praças que serão administradas pela EGR, a redução será, em média, de 30%. Um veículo que passa pela praça de pedágio apenas nos dias úteis, ida e volta, terá uma economia de R$308 por semana e R$ 3696 ao ano. Um morador de Carazinho entregou ao governador um saco com os recibos guardados durante os quinze anos do pedágio e que somavam R$ 26 mil.
O fim das praças é fruto de uma decisão do Governo do Estado de não renovação dos contratos de pedágios anunciada neste ano. A praça de Vacaria e Carazinho ficarão a cargo da União, enquanto que as praças de Gramado e Metropolitano estarão sob administração da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR). As cancelas ficam abertas até o dia 06 de janeiro, quando a EGR assume as duas praças. 
“O modelo implementado pelo governo do RS substituindo aquele pedágio existente é a Empresa Gaúcha de Rodovias, que tem um controle social inédito em qualquer empresa pública do país, na qual os usuários definem o volume e onde serão feitos investimentos”, destacou o secretário de Infraestrutura e Logística, João Victor Domingues. 
A Concessionária Rodoviária Planalto (Coviplan) era quem administrava a praça e possuía a concessão de 250 quilômetros, que incluíam Passo Fundo, Soledade e Panambi. As outras praças encerradas nesta segunda eram administradas por Rodosul, Univias e Brita Rodovias. 

Fonte: Governo do Estado do RS